Cães, Saúde e Bem Estar

O DIA EM QUE A MARGÔ FICOU CEGA – 1ª PARTE

Olá pessoal, hoje vou contar para vocês um grande susto que a Margô nos fez passar em Outubro do ano passado.
Espero que esse relato possa ajudar muitos leitores e seus animaizinhos.Vou dividir o relato em 2 partes, a minha e a do especialista que salvou minha filhota.

A Margô sempre foi muito expressiva e tem olhinhos encantadores. Em um período de 1 semana mais ou menos reparei que ela estava nos olhando com uma carinha de assustada, com os olhos esbugalhados e sem brilho mas acabei não dando muita importância e ainda achava engraçado quando ela nos olhava com aqueles olhões, nos primeiros dias nos renderam boas risadas e depois muitas lágrimas…

Reparem no esforço para enxergar

Nesse mesmo período reparei que ela estava um pouco cabisbaixa e não estava querendo se alimentar direito, achei muito estranho mas não tomei nenhuma atitude pois aparentemente era apenas uma indisposição por conta do calor.

Nesse mesmo final de semana viajamos para a casa de praia junto com a Nynna, a Bulldoguinha da minha mãe, ela e a Margô se amam… Porém, reparei que a Margô não estava muito animada para brincar, mesmo com toda a insistência da Nynna que ainda é filhote. Resolvi então brincar com a bolinha preferida dela e comecei a jogar para que ela e Nynna buscassem. Mesmo jogando diversas vezes a bolinha ela não a encontrava, corria na direção mas não a encontrava… Reparei também que ela começou a esbarrar nas portas e em alguns objetos e resolvi então fazer um teste aproximando um pedaço de madeira, com a intenção de jogar em seu rosto, ela não esboçou nenhuma reação. Os olhos estavam ainda mais sem brilho que nos dias anteriores.

Era um fato, a Margô estava cega!

Olho sem brilho

Não consigo expressar em palavras como fiquei angustiada, meu coração disparou e pedi para a família toda verificar se não era um engano meu, mas todos concordaram comigo, ela não estava mesmo enxergando.

Imediatamente comecei a procurar os melhores especialistas em Oftalmologia Veterinária no Rio de Janeiro e no dia seguinte fui para a consulta com a minha gordinha. Estava com esperança de que fosse Catarata Juvenil, doença aparentemente comum em Bulldogs, e assim me agarrei nessa idéia. Porém, logo que o veterinário começou o exame clínico ele disse que não era catarata, nem Glaucoma, e que isso era muito ruim pois poderia ser um problema neurológico. Afirmou que ela estava 100% cega e que o prognostico não era bom, que talvez ela nunca voltasse a enxergar. Cai em prantos no consultório, eu não queria acreditar que minha bebêzinha, com apenas 1 ano e 2 meses estivesse cega, e ainda com suspeita de problema neurológico. Sai do consultório arrasada!

Começamos então a ler tudo sobre cães cegos e resolvemos fazer da vida dela a melhor possível, adaptar a casa e tudo que vocês possam imaginar… mas eu queria uma segunda opinião.

Foi quando um anjo apareceu em nossa vida e isso eu conto pra vocês na 2ª parte dessa história.

Um comentário em “O DIA EM QUE A MARGÔ FICOU CEGA – 1ª PARTE”

Deixe uma resposta